Homenagem ao Lar Paulo de Tarso,

jardim de esperança para crianças

em condição de risco social,

que não é notícia, mas planta flores.

 

As notícias de violências e mais violências tem nos deixado amedrontados, acabrunhados, cabisbaixos. Só olhamos para os lados para detectar alguém ou algum movimento suspeito. Não vemos mais a beleza ao redor, nem vemos o outro.

Medo é o sentimento comum que se associa à impotência.

No entanto há muitas coisas boas acontecendo, não noticiadas.

Inúmeras instituições estão acolhendo crianças em condições de risco social; amparando jovens que lutam para se libertarem das drogas, lícitas e ilícitas; apoiando enfermos em tratamento de câncer, HIV e tantas outras enfermidades. Instituições essas que lutam com poucos recursos e nenhuma divulgação.

Também há associações voltadas para a preservação e recuperação do meio ambiente, de animais e vegetais em risco de extinção.

Há movimentos para acabar com os preconceitos de toda natureza, com a intolerância religiosa e pela melhoria das condições de vida das comunidades mais pobres.

Tudo isso visa um mundo melhor, e nesse mundo há flores.

Não contemplamos a lua, não vemos a importância da chuva, não nos banhamos em rios, porque a mídia noticia que a noite é perigosa, que a chuva provoca estragos e que os rios estão poluídos.

            É ampla a publicidade de bebidas e alimentos industrializados prejudiciais à saúde, mas não divulgam as boas ações.

            No entanto, há muitos jardins por aí.

Que tal começar a olhar e admirar as flores?

            Melhor, vamos plantar flores? 

Autora: Yolanda Polimeni (PE)
Recife, 16 de fevereiro de 2018.

 

------------------------------------------------------------------------
Clique aqui e saiba como colaborar com o Lar Paulo de Tarso
------------------------------------------------------------------------